Perguntas Frequentes

Tire suas dúvidas aqui

Aqui você poderá tirar suas dúvidas sobre carros blindados e também entender as principais características desses veículos.

Não existem testes de qualidade específico para as blindadoras, mas para fabricar materiais à prova de bala, elas devem passar por testes balísticos realizados pelas Forças Armadas. Assim, somente aquelas que possuem o Título de Registro emitido pelo exército têm autorização para comercializar os produtos. Além disso, as blindadoras também precisam ser registradas no Exército e obter autorização para blindar e comercializar cada veículo (Certificado de Registro – CR). Antes de escolher a empresa, verifique Título de Registro e o CR.

Também é importante que você visite a empresa antes de fechar o negócio, veja outros automóveis já blindados, se os materiais que ela utiliza são de 1ª linha. Uma boa pesquisa sobre ela no mercado também vai ajudar.

O valor vai depender do nível de blindagem e do modelo do carro. Em um carro maior e mais sofisticado, por exemplo, são usados mais materiais e ele contará com maior volume de itens internos e equipamentos que exige um detalhamento maior.
Os níveis especificam a quais projéteis um determinado nível de blindagem deve resistir. No Brasil, eles são:

Nível I: É a menor proteção disponível. Resiste a disparos de armas calibre 32 e 38, mas é vulnerável a calibres maiores.

Níveis II e II-A: Esses níveis fazem parte de um único nível segundo a tabela americana. Eles resistem a armas de calibre 9 milímetros e à Magnum 357.

Nível III-A: Segundo a Abrablin, o nível III-A tem uma resistência quatro vezes maior que o nível I e é a proteção usada por 95% mercado. É resistente a armas de mão de todos os calibres, inclusive a submetralhadoras (pistolas) 9 milímetros e à Magnum 44.

O nível III-A representa mais de 90% dos carros que saem das blindadoras, pois é resistente a tiros de qualquer arma de mão.
Nos últimos anos, a tecnologia avançou bastante e hoje qualquer carro pode ser blindado.
Até alguns anos, a blindagem era feita integralmente com a aplicação de aço. Com o avanço da tecnologia, passaram a ser usadas mantas de aramida, tecido formado por fibras muito leves, mas de alta resistência e de grande absorção de energia. Agora a blindagem é feita utilizando os dois componentes, pois por ser muito flexível e maleável, a manta deixa alguns pontos vulneráveis na lataria do carro, principalmente nas extremidades, onde o fim de uma placa de manta se junta ao começo de outra. Nesses espaços é instalada uma sobreposição em aço, o chamado overlap.
O peso adicional da blindagem também varia muito de acordo com o modelo do carro e o nível de proteção. Mas hoje, graças aos avanços na tecnologia, o peso hoje é de cerca de 180kg, pela diminuição do uso de aço e maior uso da manta.
Sim, o Exército Brasileiro é o órgão que autoriza pessoas físicas a blindarem seus carros e sem a autorização em nome do proprietário, a realização do serviço é proibida. A blindagem é permitida pelo Exército, mas seu uso é controlado. Assim, antes do veículo começar a ser blindado, o Exército deve receber a documentação do proprietário do carro, da blindadora e informações sobre os materiais que serão usados.
Procure conhecer a blindadora que fez o serviço, busque informações online ou fale com conhecidos que possam ter tido uma boa experiência com seus produtos. Você também deve checar o nome da empresa no Certificado de Blindagem, que todo veículo deve ter – prefira aqueles com a descrição da blindagem no documento do veículo, obrigatória desde 2008.
Blindar um veículo é um processo bastante complexo, que demanda mão de obra especializada e materiais de primeira linha. Muita tecnologia é empregada, o carro é totalmente desmontado, cada peça recebe um reforço personalizado (já que cada modelo de cada marca tem curvas e medidas específicas), os vidros originais são substituídos por vidros especiais. Não dá para pensar em segunda linha quando estamos lidando com vidas! E tudo isso acaba tendo um custo considerável para as blindadoras. Portanto, quando uma empresa oferece esse serviço com valor muito abaixo do que costuma ser praticado, é importante estar atento para o tipo de blindagem e se ela está sendo feita para garantir a proteção desejada.
Cada montadora tem suas próprias políticas para manter ou não a garantia de fábrica. Graças à tecnologia empregada e à qualidade dos materiais e serviços utilizados na Magnum, contamos com um sistema menos invasivo, que favorece a leveza com uma blindagem e que se adapta de forma mais natural ao carro.

Garantimos a qualidade em todas as etapas do processo de blindagem, o que significa que respeitamos os limites mecânicos do veículo e a originalidade dos acabamentos.

A garantia dos vidros blindados e da parte opaca é de 3 a 5 anos. Mas lembre-se que a blindagem de um carro pode durar muito mais, desde que sejam feitas as revisões periódicas conforme manual do proprietário.
A condição para manter a garantia da blindagem é fazer sempre as revisões periódicas conforme consta no manual do proprietário. Ela começa depois de 3 meses da data de blindagem ou 2500 km rodados, e as próximas a cada 10.000km.
Todo o processo, da desmontagem aos testes finais, dura cerca de 30 dias corridos.
Temos a manutenção preventiva, em que o objetivo é identificar a falha antes que ela ocorra por meio das revisões periódicas, e a manutenção corretiva, que ocorre quando o cliente detecta algum problema que deva ser resolvido.
Não. No entanto, o peso a mais exige que o sistema seja inspecionado mais frequentemente.
Sim, todos os carros blindados precisam ser registrados. Por isso, os vidros utilizados têm uma numeração única de rastreio e as mantas são rastreadas pelo lote de produção.

Não, mas é possível que eles tenham uma proteção extra com uma cinta de aço, de nylon ou de borracha, que impedem que os pneus escapem das rodas se forem alvejados, o que permite que o veículo rode por alguns quilômetros até encontrar uma zona de segurança.

Sim. O nível de proteção ali deverá ser o mesmo do restante do veículo (carroceria) e ele deverá ficar fixo, ou seja, não poderá abrir.
O processo de blindagem é uma adaptação e cabe à blindadora zelar para que não ocorram danos ao veículo durante este processo. Graças à evolução tecnológica, salvo raras exceções, as funções originais do veículo são preservadas.
O crescimento de violência expandiu o uso de blindagem pela população. É por isso que o veículo blindado seminovo possui liquidez. Para quem tiver interesse em conhecer alguns seminovos blindados, pode conhecer a loja Magnum especializada neste produto. Visite nosso Showroom localizado na Av. José de Souza Campos (Norte e Sul), 95 e conheça todas as opções que temos para você.
Back to top